Prefeitura promove 1º Sarau Cultural da Reme com diversas apresentações culturais

09/07/2018 22h25
Categoria: Cultura

Assessoria

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Secretaria Municipal de Educação, da Divisão de Esporte, Arte e Cultura, promoveu na tarde desta quinta-feira (5) o 1º Sarau Cultural da Rede Municipal de Educação (Reme). O evento aconteceu no Horto Florestal das 13 às 17 horas.

O sarau foi uma forma descontraída que a Semed fez para que as atividades do Projeto Arte e Cultura fossem apresentados aos pais e comunidade escolar. Ao todo, 84 escolas participam do projeto que envolve cerca de 3 mil crianças em suas atividades e 92 professores. Os estudantes têm a oportunidade de ter contato com a produção estética e cultural, desde a sua fase inicial, até a produção de obras, ensaios, exposições e apresentações artísticas.

Nesta quinta-feira, 25 escolas levaram para a Arena do Horto Florestal apresentações de street dance, ballet, teatro, música, violão, flauta, fanfarra e uma mostra de artes visuais.

Atento a cada apresentação, o prefeito Marquinhos Trad falou sobre a importância de incentivar as crianças a se apresentarem em público, mesmo que com as dificuldades da idade.

“Eu tenho quatro filhas e uma neta, e sei que seja qual for a apresentação que fizeram, treinada ou não, a gente acha lindo e maravilhoso. Por isso, o aplauso é muito importante, mesmo que as coreografias sejam amadoras, ou não aquilo que muitos estejam esperando. O aplauso é muito importante para incentivar a formação e a personalidade de cada criança que está aqui. São meninos e meninas que farão muita diferença neste mundo”, disse.

A secretária municipal de Educação, Elza Fernandes Ortelhado, agradeceu a plateia que fez questão de prestigiar os pequenos artistas.

“Estamos muitos felizes em ver essa arquibancada lotada, com os pais prestigiando o nosso evento. São os filhos de vocês, os nossos alunos, as nossas crianças. Hoje é o momento de valorização da nossa arte, da nossa cultura. Lindas apresentações com o empenho dos nossos professores, das unidades, das nossas diretoras”, afirmou.

A ideia do sarau era de justamente integrar os alunos do projeto Arte e Cultura, onde cada um pudesse mostrar um pouquinho do que aprendeu dentro das aulas de teatro, de música, de dança e de artes visuais.

“Nosso objetivo era fazer algo mais descontraído sem aquela seriedade do teatro (espaço físico). Então começamos com o Sarau lá no Horto com o teatro de rua e viemos em cortejo cultural até o Teatro de Arena. Aqui temos uma pequena mostra do que executamos em 84 escolas”, informou a técnica de teatro da Divisão de Esporte Arte e Cultura, Michelle Dominique.

A estudante Graziele Porto Alves, do 9º ano da Escola Municipal Barão do Rio Branco, em Rochedinho, disse que o sarau foi muito importante, exatamente, por terem tido a oportunidade de apresentar um pouco de tudo que fazem no projeto.

“A gente aprende vários ritmos… Forrô, sertanejo, pop. Eu amo dançar. Eu tinha dificuldade em alguns passos no início, mas com as aulas fui aprendendo um pouco mais. Além disso, ajuda também a perder a timidez. A professora ensinou a gente que temos que olhar pra frente, sorrir e seguir em frente”, contou.

Para a mãe da pequena Juliane Vitória, a dona de casa Elaine Cristina da Silva Barros, o importante foi ver a filha dançar balé pela primeira vez.

“Ela faz aula há uns três meses e está amando. Hoje vai ser a primeira vez que vou assistir. Acho muito importante haver esses projetos, pois é uma forma de desenvolver as crianças e de elas não ficarem nas ruas”, disse.

O professor de artes Andrei Sousa Santos, contou que achou gratificante poder incentivar os alunos.

“Gostei muito, porque os alunos mostraram bastante interesse pelo desenho. Sobretudo em aprender novas técnicas. Eles queriam saber como fazia e não sabiam o segredo. E ai foram desenvolvendo o dom que já tinham. A gente trabalhou o traçado, mão livre, perspectiva, luz e sombra, uso correto do lado de cor, proporção entre objetos, geometrizarem as figuras no espaço. Eu os convidei para escolherem os artistas regionais e brasileiros. Eles olharam as obras, pesquisaram e trouxeram aquilo que se reconheceram melhor”, disse.

Para ele, o ser humano deve ser incentivado em todas áreas, para que desenvolvam talentos, muitas vezes escondidos.

“Temos que trabalhar as aptidões de cada aluno. Os talentos pessoais, que muitas vezes, nem eles mesmos conhecem. Isso é maneira de eles se conhecerem também, e se expressarem melhor”, finalizou.

Novidades

Entre as novidades implementadas esse ano estão as oficinas circenses, que acontecem em duas unidades da Rede Municipal, além de um seminário de formação voltado aos profissionais que atuam nas áreas de arte e cultura, que está acontecendo esta semana.

A parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) também ganhou um incremento importante. Os alunos da Reme que frequentam aulas de música e teatro na universidade dispõem de acompanhamento pedagógico de professores da instituição.

De acordo com o chefe da Deac, Marcos Antonio Lopes, os projetos desenvolvidos nas unidades escolares atuam como uma iniciação artística e cultural, mas têm o papel fundamental de contribuir e valorizar o projeto pedagógico da Reme.

“A importância dessas aulas é que elas ajudam na formação completa do aluno, que tem a possibilidade de conhecer conteúdos de forma lúdica, o que motiva o aprendizado”, afirmou.

O próximo evento da Deac será o Festival de Arte e Cultura, que terá sua edição 2018 novamente realizada no Teatro Glauce Rocha, que acontecerá nos dias 29, 30 e 1 de agosto e que contará com a parceria da Secretaria Municipal de Turismo (Sectur), que vai levar alunos da Rede Municipal para se apresentarem no projeto Palco Itinerante, que visita os bairros da capital levando atividades culturais e lazer.

COMENTÁRIO(S)