Tendências alimentares para o futuro

26/05/2020 14h19
Categoria: Saúde e Qualidade Alimentar

Glaucia Batistá

Tendência é um termo utilizado para definir pessoas que agem da mesma maneira, sendo assim, observamos que cada década traz suas tendências, levando milhares de pessoas a seguir o mesmo caminho. Seja no estilo de roupas, acessórios, no estilo de danças, de gostos musicais ou alimentares.

Esquecemos do poder que temos em mudar o mundo com o comemos pelo simples fato de que fazemos em média 3 a 4 refeições por dia. São infinitas possibilidades de misturas de sabores, aromas e texturas, somados a diversidade e cultura de cada região ou país. Há pratos que nunca saem da moda, os tradicionais, mas seria impossível permanecermos em um mundo em constante evolução e não nos depararmos com pratos sendo criados e recriados, trazendo novos sabores para diversos públicos atraindo cada vez mais a popularidade.

Podemos falar de tendência alimentar para os apaixonados pelos coquetéis, na criação dos mocktails (bebida mista não alcoólica), com a proposta de agregar os cardápios dos restaurantes em qualquer horário do dia como a opção “drink para quem vai dirigir”. E não pense que é drink para se confundir com suco ou vitamina, é um preparo bem saboroso, não perdendo em nada em sabor para os clássicos com álcool, ganhando muito espaço nos bares mais renomados pelo mundo a fora. Esse drink veio para ficar. Além dos mocktails, existem marcas que se especializaram em bebidas alternativas como kombucha, que é uma bebida gasosa, feita a partir de cultura de bactérias e leveduras, sendo de sabor ácido e adocicado, já o misto de chás, veio para equilibrar a dieta e auxiliar no aproveitamento dos nutrientes pelo organismo, e as bebidas funcionais, que auxiliam a função cognitiva, produtividade e memória.

Outra tendência que será ainda mais presente é a proteína a base de plantas. As pessoas estão cada vez mais conectadas com o que estão comendo, levando em consideração desde ao plantio até o fornecimento. O mercado está lançando hambúrgueres que imitam a carne, produtos com proteína vegana em pó, e não fica somente na soja, alimentos como o feijão mungu, abóbora, abacate e até a semente de melancia serão fontes de proteínas para criação de alimentos. Isso torna acessível a ideia de se consumir mais plantas, ainda mais com um impulso das redes de fast-food lançando lanches com hambúrgueres a base de plantas.

Teremos também mais alternativas para o leite sem lactose e mais alternativas para a farinha de trigo convencional. Nos leites sem lactose teremos leite de aveia, amêndoas, girassol, caju, entre outras, a necessidade do leite sem lactose não diminuirá tão cedo e aparecerá cada vez mais opções. Para a substituição do trigo, a alternativa será farinha de grão de bico, farinha de amêndoa, farinha de banana, farinha de couve flor, e até de sorgo. Cada vez mais, as empresas assarão com essas farinhas para enriquecer seus pratos de nutrientes, acompanhando a busca constante das pessoas por uma vida mais saudável e equilibrada.

Lanches frescos, adoçantes verdadeiramente naturais, e claro para o atual público exigente do novo menu infantil, são outras vertentes dessa nova era de alimentação.

Junto com as mudanças alimentares dessa década, vem a busca em tempo real de informações sobre o que estão comendo, para ter certeza de que o alimento está no novo sentido da escolha de vida. E com o aumento na utilização dos aplicativos de entrega, além de buscas de feedbacks dos estabelecimentos, é a participação dos sistemas de fidelidade, cupons de desconto e participação no processo de criação do prato, deixando de lado o clássico a la carte.

Com isso a frase que podemos definir para a tendência alimentar do futuro é “facilitar o consumo é ajudar o consumidor a se tornar mais saudável.” Aproveite para conhecer novos sabores e embarcar nessas novas experiências.

Gláucia Batista - Nutricionista especialista em Vigilância Sanitária e Controle e Qualidade de Alimentos - CRN 3 - 29670

COMENTÁRIO(S)