Nutrição e alimentação escolar

09/06/2020 09h54
Categoria: Saúde e Qualidade Alimentar

Gláucia Batista

Já falamos aqui sobre a importância da alimentação adequada na vida das pessoas como meio de inclusão social e de combate a problemas de saúde, e a alimentação escolar é um desses pilares para a formação saudável e social de crianças e adolescentes.

Desde muito pequenos a alimentação nos conecta com a comunidade local e global, expandindo nosso olhar e revelando as escolhas que fazemos e que possam permanecer para toda a vida, como refeições rápidas, ausência de frutas e verduras, excesso de frituras e até fobias de determinados alimentos.

Claro que tudo que é feito de forma radical é também prejudicial, por isso, tão importante para esta construção de hábitos alimentares saudáveis é a procura do equilíbrio, respeitando a tradição, estilo de vida, bem estar e prazer, para que as escolhas e o desejo pelo novo sejam eficazes.

O profissional nutricionista atuante na escola seja de rede pública ou privada é o multiplicador da qualidade e diversidade na alimentação, contribuindo para o crescimento, desenvolvimento, aprendizagem, rendimento escolar e a formação de novas práticas alimentares saudáveis.

Com o tempo de atuação nas escolas, o nutricionista percebe como cada região tem um perfil alimentar diferente e assim usa isso ao seu favor para adequar os gostos locais com a proposta e a recomendação do planejamento saudável.

Os cardápios escolares e seus cálculos são de elaboração exclusiva do nutricionista para atender as necessidades nutricionais estabelecidas de acordo com cada faixa etária, cultura alimentar e o período que o aluno permanece na escola.

Mas a atuação e a fiscalização do nutricionista não se limitam ao cardápio, é necessário planejar, organizar, dirigir, supervisionar e avaliar todos os serviços de alimentação e nutrição. Como supervisionar a produção das refeições, participar das compras e armazenamentos de insumos, implantação das normas e leis sanitárias, elaboração de atividades lúdicas ou de acordo com cada faixa etária sobre alimentação saudável e suas diretrizes e assistência no acompanhamento nutricional de indivíduos sadios ou enfermos.

Os principais obstáculos são a mudança de hábitos que os alunos trazem enraizadas devido a educação alimentar recebida dos pais, que consequentemente trazem sua educação alimentar enraizadas recebidas pelos avós, e assim por diante, mas educadores e a cantina escolar também entram nessa lista.

Para a rede pública existe o PNAE (Programa de Nacional de Alimentação Escolar) que abrange diversas leis e tem como obrigação o repasse de verbas para garantir refeições que cubram as necessidades nutricionais a promoção de saúde através de ações de educação alimentar nas escolas durante todo o ano letivo.

A rede particular segue a Resolução CFN Nº 465 de 23 de Agosto de 2010 que estabelece parâmetros mínimos de referência no âmbito do PNAE.

Uma grande evolução nesta luta foi a criação da “Lei da Cantina Saudável”, que favorece o desenvolvimento de ações que promovam e garantam a adoção de práticas alimentares mais saudáveis no ambiente escolar, determinando o que pode e o que não pode ser oferecido.

Com as escolas fechadas devido a pandemia que vivemos hoje, retomar essas atividades será um trabalho árduo. Uma vez que as férias são cerca de 30 dias, e quando o aluno retorna à escola seus hábitos já estão intensificados e muitas vezes modificados, agora que estamos há 90 dias seguidos distantes dessa rotina saudável, o caminho de volta deverá ser mais intenso.

Espero assim que todos os envolvidos na educação escolar não se esqueçam que a vida tem vários sabores e embora não notamos a alimentação se comunica direta e indiretamente com as pessoas em todas as etapas de vida, como quando lembramos do cheiro do pão quentinho da casa da avó, quando sentimos o gosto de um bolo feito com muito amor pela mãe.

Comer é um ato de vivência, e o comer junto é a forma de conhecer a si próprio e o outro, e esse é um dos momentos mais esperados pelos alunos, hora do recreio! Educação e alimentação são vida, história e cultura!

Gláucia Batista - Nutricionista especialista em Vigilância Sanitária e Controle e Qualidade de Alimentos - CRN 3 - 29670

COMENTÁRIO(S)